Google+ Followers

domingo, 3 de março de 2013

A Voz da Consciência

Perdido em divagações 
Vinham-me indagações
Do porque de estar na terra
O meu eu comigo em guerra
Sem trégua, descanso e paz
Tempos duros por demais
De grandes inquietações 
Suores e frustrações 
Que não quero lembrar mais.

Sem rumo e caminho certo
Vagueava num deserto
Tenebroso e escaldante
Sobressalto a todo instante
Sem porquê e sem razão
Mas não me sentia só
Tinha a atenção atraída 
Pra toda espécie de vida
A pulsar em derredor...

                                 Um consolo ia comigo
                                 Me acompanhava um amigo
                                 Anônimo,sem cara e nome
                                 Saciando a minha fome 
                                 De amizade e companhia
                                 Que comigo noite e dia
                                 Me escutava e respondia
                                 Dos meus anseios,temores
                                 E ao meu mundo coloria...

Eu me indagava; O que será
Essa voz que não se cala?
Ricocheteia e resvala
Alentando o coração?
Era a voz da consciência
A dar-me toda assistência
No decurso do meu dia
Proporcionando alegria
Aos caprichos da razão...
                      
                           g   f   t   O